Notícias

Extinção do Soldado de 3º Classe e realização de concurso ainda neste semestre na PMGO



Novos comandos das forças policiais e bombeiros participaram na manhã desta quarta-feira (9) de uma mesa-redonda no anfiteatro do Grupo Jaime Câmara, em Goiânia. A crise financeira do estado, o alto índice de violência e a abertura de novos concursos públicos foram alguns dos assuntos abordados.

Foram convidados os comandantes da Polícia Militar de Goiás, coronel Renato Brum; do Corpo de Bombeiros, coronel Dewislon Adelino Mateus; e o delegado-geral da Polícia Civil, Odair José Soares. As autoridades foram nomeadas pelo governador Ronaldo Caiado (DEM).

Coronel Brum comentou a extinção da terceira classe na corporação, que promete valorizar os salários dos servidores e afirmou que pretende preparar concurso público ao longo deste semestre, para que o novo efetivo comece a atuar em 2020.

“A ordem do governador é não reclamar e trabalhar com o que temos”, afirmou o comandante da PM ao ser questionado sobre a crise financeira do Estado.

No âmbito da PC, o delegado-geral Odair José também falou como está trabalhando para driblar a falta de recursos. Segundo ele, está em andamento um projeto de transferência do Complexo de Delegacias Especializadas da corporação para outro local, próximo ao limite entre a capital e Aparecida de Goiânia. Odair José fez questão de frisar que esta mudança não requer investimento do governo estadual.

Questionado sobre a demora na solução de crimes em Goiás, o delegado-geral afirmou que pretende transformar a Delegacia de Homicídios em um departamento para potencializar e intensificar as apurações de mortes violentas no estado. “Comprometimento de fazer o melhor”, encerrou o delegado-geral.

Liderando o Corpo de Bombeiros de Goiás, coronel Mateus afirmou que sua gestão terá como objetivos principais o serviço à população e captar recursos para investir em novos equipamentos para a corporação. “Hoje, o gestor tem que buscar oportunidades e não ficar chorando pelo leite derramado. A dificuldade de investimento é normal, nós temos que buscar é soluções”, disse o coronel.

Fonte: O popular

Voltar ao topo